Como Medir o IMC

A sigla IMC quer dizer Índice de Massa Corporal. E esta é uma medida adotada pela Organização Mundial de Saúde (OMS), como padrão internacional para avaliar o grau de obesidade ou a presença de muita gordura no corpo. O IMC serve para podermos comparar a saúde de populações ou até mesmo definir prescrição de medicações.


O sobrepeso e a obesidade, indicados pelo IMC, são fatores de risco para doenças como a doença arterial coronariana, a hipertensão arterial e diabetes, além de outras patologias consideradas de alto risco para a saúde pública.  Seu uso é disseminado principalmente entre profissionais que trabalham com o corpo, como médicos, fisioterapeutas e profissionais de Educação Física.

Os valores são independentes de idade e sexo. Apesar disso, como algumas etnias possuem diferentes proporções de corpo, o cálculo pode não corresponder ao mesmo grau de gordura.

Como qualquer índice, esse também apresenta problemas. Não é porque determinado indivíduo é tido como normal pela tabela, que ele será necessariamente saudável. Assim, como não é verdade que todo indivíduo acima do peso normal apresenta problemas de saúde.

Esse índice apenas serve para alertar: caso você esteja acima do peso ideal, é importante que tenha um maior cuidado com a sua saúde, pois os riscos de doenças cardiovasculares e de diabetes, por exemplo, são maiores em pessoas localizadas nas faixas do sobrepeso e posteriores.

Por esses e outros motivos que os pais e responsáveis, assim como também os educadores, devem estar atentos à alimentação das crianças e adolescentes. Assim como ingerir alimentos que levam ao excesso de gordura não é bom à saúde, deixar de ingerir certos nutrientes e ficar abaixo do peso também não é. E, como meio de manter a atenção sobre o fator peso, o uso do Índice de Massa Corporal é altamente recomendável.

Se interessou? Saiba como calcular o seu IMC aqui neste artigo, seguindo o passo a passo a seguir:

Como Medir o IMC

pesar-na-balanca

1º Passo – Vá até uma balança e descubra qual o peso do seu corpo. Note que os passos a seguir usarão cálculos a partir dos seus quilos.

fita-de-medicao

2º Passo – Encontre uma fita métrica perdida pela sua casa e descubra sua altura. Uma dica é ficar em pé contra uma parede e usar uma caneta para fazer um risco logo acima de sua cabeça. Após isso, tire a medida com a fita métrica.

formula-do-imc

3º Passo – Utilize caneta, papel e uma calculadora para fazer a seguinte operação e descobrir seu IMC: multiplique a sua altura por ela mesma, isto é, se você mede 1,65 m, multiplique este número novamente por 1,65 – o que, neste caso, resulta em 2,7225.  Agora divida seu peso por pelo primeiro resultado que você obteve. Digamos que você pese 50 quilos, então dívida 50 por 2,7225. Seu IMC seria 18,3.

4º Passo – Se o resultado da conta ficar entre 18,5 e 24,9, seu peso é considerado normal. Qualquer número diferente desse, tanto acima como abaixo, é um indicador de que é melhor começar a se cuidar.

Tabela com valores do IMC

Situação abaixo de 18,5: você está abaixo do peso ideal; entre 25,0 e 29,9: você está acima de seu peso, ou seja, está com sobrepeso; entre 30,0 e 34,9: está em um grau mais preocupantes, pois atingiu o que chamamos de primeiro grau da obesidade; entre 35,0 e 39,9: você atingiu obesidade grau II; acima de 40,0: atingiu a perigosa obesidade grau III.

A gordura corporal pode ser estimada também a partir da medida da espessura entre duas camadas, de pele e de gordura, do cotovelo. Em um consultório, a medida seria feita por equipamentos como a Bioimpedância, Ressonância Magnética, a Tomografia Computadorizada, o Ultrassom. Tais técnicas são utilizadas em casos nos quais se pretende determinar com mais detalhe a constituição corporal.

Em crianças e jovens, os critérios para diagnóstico são diferentes. Eles dependem da comparação do peso com as curvas padronizadas que resultam nos valores normais de peso e altura para a idade exata da criança ou do adolescente.

E muitas podem ser as causas da obesidade. Os hábitos alimentares é, provavelmente, um dos mais importantes quando se trata deste tema. Em geral, os obesos, por descontrole, acabam por comer mais do que o corpo precisa. Até mesmo a própria cultura da pessoa interfere, pois se ela já tem o costume de comer lanches gordurosos, isso acelera o desenvolvimento da doença.

Problemas emocionais também podem afetar tais hábitos ruins, por exemplo, uma pessoa que sofre de depressão ou de baixa autoestima, geralmente costuma se vingar comendo mais do que o necessário.

Veja também: Exercícios Para Perder a Barriga em Casa

Infelizmente, a obesidade também pode vir no DNA. Dependendo da genética da pessoa, ela pode ter mais ou menos tendência a desenvolver um apetite maior que outras. Por isso, fique atento ao seu peso e na sua saúde, ainda mais se você tiver alguma tendência a desenvolver certas doenças. Cuide-se!

Inscreva-se em nosso canal no Youtube para mais dicas.